quarta-feira, 19 de dezembro de 2007

Adeus você!


Quando aquela cor desapareceu, os espelhos que a refletiam em sua alma transformaram-se em cacos. Os passos já não deixavam marcas, tornaram-se neutros e a lua era a mesma, todos os dias, em um tempo vagaroso. E o vento? A pele, antes seda, enrijeceu e tornou-se insensível. Os olhos perderam o encanto e o brilho em uma confusão imperecível.