sexta-feira, 15 de agosto de 2008

Doces Mentiras



Da tua boa vontade, ficou toda a tua Covardia. Dos teus atos, apenas a Comodidade. Da magia dos teus olhos, ficou a Ilusão. Do teu abraço, a marca da tua cerveja fria. Do último beijo, o gosto de Precipitação dolorosa. Das tuas palavras Sem base, ficaram as mais belas Mentiras: exatamente aquelas que os meus ouvidos queriam sentir. Não, a culpa não é das tuas Inverdades, são dos meus sentidos Falhos que te queriam sempre por perto. Se a Culpa existe, ela tá aqui: nos planos Ilusórios, na fé depositada em fatos Dolosos. Das mais doridas lembranças, as mais lindas canções. Da tua presença, apenas o rastro de uma Vontade Banal.
inFelizmente não posso mais ter o prazer da minha Dor, da ferida aberta, pra te dar o Gosto de uma simples Brincadeira.
Foi inevitável acreditar nas tuas doces palavras, quando o Álcool predominou. Foi sonho puro o teu retorno; tudo armadilha dos Desejos, diria o poeta: “O desejo é o que torna o irreal possível.”

A sentença Nunca esteve na minha mão.

Pra que fantasiar decisões?
Perder só se Eu quiser?
Que álcool era aquele?
Que tipo de Arma sórdida é essa?
Que tipo de vítima tu me fazes ser?
Mais Cuidado ao buscar a Hipocrisia nos Outros...


Agora me resta Dilacerar os Lírios, quebrar o filme e guardar aquela proposta para um coração que Mereça recebê-la porque Mentiras sinceras Não me interessam.



"Eu queria ter uma bomba, um Flit paralisante qualquer pra poder me livrar do prático efeito das tuas frases feitas, das tuas noites perfeitas, (...) pra poder te negar bem no último instante."

8 comentários:

Camila Boullosa disse...

abriu sete palmos terra abaixo. jogou dentro todo tipo de sentimentalismos. livrou-se das garrafas de alcool da estante (aquelas em que guardava todas as recordações). deixou cair também o batom vermelho das noites de luar.
jogou ainda as últimas lágrimas.

amanhecera.

Mai Amorim disse...

meu deeeeeus.... q perfeito, camila....


=/

ah, eu tô sem o que dizer.

Lírios não têm espinhos. Mas quem disse que eles não ferem a gente?

=x

Carlos Alberto disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Os Corpos disse...

Há sempre um punhado de sementes para jogar na terra molhada, mas só quem sabe cultivar é quem já experimentou que não é de qualquer forma que se joga as sementes, aduba a terra e se planta uma vida.

No fim é aprendizagem que vem... E depois o gozo que ela traz.

...tanta dor...
engraçado que existe um universo de seres que buscam um segundo do teu olhar e do cheiro dos teus cabelos.

[The stone age_Talita Cavalcante] disse...

Nem as mais potentes armas de fogo, tampouco atiradores, têm a competência de atirar com tamanha precisão como este texto, esta autora.
Muito bom!
E eu te amo, S... do ...B que sou.

Lori disse...

Fortes e inspiradas metáforas...jogo sem jogadores, crime sem precedentes.

Queria poder comentar cada linha, mas não sou digna disso.

O que é sincero nem sempre é mentira. Isso é o que fica, o que deve interessar. Mais Cuidado na análise da Hipocrisia citada.

Fica bem.

Kika Macedo disse...

Caracas!

palavras fortes e impactantes.
tudo muito bem elaborado.

"...pra poder te negar no último instante." - esse é o fragmento.

parabéns, belo texto.

(...) disse...

É, pode ser que a maré não vire
Pode ser do vento vir contra o cais
E se já não sinto teus sinais
Pode ser da vida acostumar
Será, Morena?
Sobre estar só, eu sei
nos mares por onde andei
devagar
dedicou-se mais o acaso a se esconder
E agora o amanhã, cadê?

Doce o mar, perdeu no meu cantar