terça-feira, 16 de junho de 2009

Impressões.


Era só isso: bastava caminhar. Ruas escuras, becos sujos, sombrios; casas altas, onde viviam famílias antes nobres. Por aqui, por onde a gente caminha sem olhar pra trás, o rio não passa, o tempo corre lentamente. A chuva queimou boa parte das lâmpadas que deixavam os andarilhos com tons alaranjados. E nas esquinas, travessas e encruzilhadas, encontramos a música nos passos de quem vai. É tudo doce, até a água que a chuva manda e cai bem lentamente, escorrendo pela pele como o suor desperdiçado todos os dias com coisas nulas.
São dias leves, novos; dias de sorrir.

5 comentários:

Amora disse...

Que lindo! Um feliz suave, gostoso de ler e sentir.

Gostei bastante. =)

Mai Amorim disse...

Dias leves. =D
É, sei bem como são.

;*

Nanda disse...

qual o peso de ser leve?
talvez o mesmo de sorrir...

lindo lindo!

camilinha (sem selos) disse...

dias leves *_*

fico muito feliz por tudo isso =)
beeeeijoooo

camila chaves disse...

"a chuva queimou..."

caramba! tu não sabes o efeito que isso teve em minha mente...!

além do mais, senti o gosto das coisas oscilando entre salgado e doce, que são extremos, mas de um jeito tão suave. leve.

bem dosado...

isso durante todo o tempo.