sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

Desapego.


Quem vive o medo de ir embora fica sempre parado onde a morte das coisas é acontecimento cotidiano, onde as cores são simples artifícios de atração dos pincéis. O desapego é um passo além do medo, um passo aquém da novidade. Só sabe o quanto é difícil quem não joga fora as cartas de amor – aquelas ridículas – ou os versos escritos no guardanapo, em plena mesa de bar.

2 comentários:

camila chaves disse...

ah,

eu não jogo fora as cartas de amor – aquelas ridículas – ou os versos escritos no guardanapo, em plena mesa de bar, por isso sei bem o quanto é dificil.

estas letras vieram em um momento muito a calhar.

Rê nata disse...

eu também não as jogo fora. Por mais que doa a tortura de que aquelas palavras ja não fazem mais sentindo.
:-